Os diferentes enquadramentos tributários

with Nenhum comentário

Em maio de 2016 gravamos esse vídeo, que fez parte da nossa semana virtual do empreendedorismo, onde abordamos as diferenças em todos os aspectos das 3 principais formas de enquadramento tributário.

A primeira tributação que vamos abordar é o SIMPLES NACIONAL. Esse enquadramento tributário foi totalmente reformulado no mês 07/2007, sendo adotado como a unificação dos impostos em uma única guia, ou seja, na mesma guia o empresário faz o recolhimento dos impostos municipais, estaduais, federais e previdenciário. Existem seis tabelas de anexos do Simples Nacional, sendo o anexo 1 as empresas do comércio, o 2 as indústrias e o 3, 4, 5 e 6 as de serviço. As empresas prestadoras de serviço são distribuídas em cada um deles de acordo com a atividade prestada.

Dentro de cada um dos anexos, existe uma subdivisão de alíquotas em 20 faixas distintas, e a alíquota apurada para cada empresa é definida pelo faturamento acumulado nos últimos 12 meses. Apesar de parecer complexo, o Simples Nacional é a forma mais utilizada entre as micro e pequenas empresas por trazer, quase sempre, um grande ganho tributário para as empresas.

O próximo enquadramento que vamos explorar são as empresas optantes pelo Lucro Presumido. Quando a empresa opta por apurar seus impostos pelo lucro presumido, ela vai adotar um recolhimento separado dos impostos, sendo recolhido a título de ISSQN para o município onde a empresa está sediada o percentual que varia entre 2% e 5% para as empresas que prestam serviço. Para o Estado, as empresas do comércio fazem o recolhimento que varia entre 10% e 27% de alíquota interna dependendo do Estado, esse recolhimento é calculado sobre a diferença entre as compras e as vendas do mês.

Além dos impostos municipais e estaduais, existem ainda quatro impostos que são recolhidos à união, são eles: PIS, COFINS, CSLL e IRPJ. As alíquotas de PIS e COFINS são quase sempre fixas em 0,65% e 3% respectivamente, já as do CSLL e IRPJ mudam de acordo com a atividade da empresa. Além disso, nos três casos, ou seja, serviço, comércio ou indústria, fazem o recolhimento da Contribuição Previdenciária que gira entre 25% e 28% sobre o salário dos funcionários. Não podemos esquecer que as indústrias, além de tudo isso que acabamos de explanar, ainda fazem o recolhimento do famoso IPI.

O último e menos usado pelos micro e pequenos empresários é o enquadramento no Lucro Real. Nessa forma de tributação o recolhimento municipal, estadual e previdenciário é exatamente o mesmo do lucro presumido, a grande mudança está nos tributos da União. O PIS e o COFINS sofrem uma alteração passando suas alíquotas a 1,65 e 7,6% respectivamente e é calculado também na diferença entre as compras e as vendas, entre outros fatores de crédito. O IRPJ e a CSLL nesse cenário têm as alíquotas definidas em 15 e 9% sobre o lucro real da empresa, ou seja, suas receitas menos as despesas e os custos. Como disse no início, tudo isso é muito genérico e apenas queremos dar uma ideia para vocês de como funciona, pois em todos os cenários existem variáveis que podem fazer mudar essas alíquotas e cálculos apresentados.

Vejam o vídeo abaixo:

Um grande abraço,

 

Carlos Nei Luvisetto
Diretor Operacional 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.